domingo, 7 de junho de 2009

VIDA LONGA, SERGIO BRITTO!

Acabo de voltar do teatro. Fui ver o Sergio Britto no Sesc Santana. Fomos eu e o Cabeça. São duas cenas curtas do Beckett, "A Última Gravação de Krapp" e "Ato sem Palavras I", que não fazem parte do seu melhor teatro. São duas peças médias - embora Beckett seja sempre Beckett. A interpretação do Sergio também não é algo excepcional, memorável. O que chama atenção - isso, sim, é belo - é ver um ator aos 85 anos no palco com toda essa disposição, esse comprometimento com o teatro. Até emociona.

8 comentários:

Heitor disse...

Bacana isso aqui. Teatro, teatro, teatro... adoro!!

Paulo Cunha disse...

E ainda tem teatro! Rs. Obrigado pela visita, meu caro.

Denise disse...

è parece q estivemos no mesmo lugar e na mesma hora ......Santana é meu lugar

adorei ter vindo,volto!

Denise

Paulo Cunha disse...

Volte sempre! A porta do quarto está sempre aberta. Um beijo.

Alexandre disse...

Completamente fora do assunto, mas sei que você curte os caras:

http://www.youtube.com/watch?v=IUtCopM54Pk

Paulo Cunha disse...

Hilário! Já tinha visto o cara no Jô.
Inglês impecável. Rs.

André Santana. disse...

Vi a peça também PC; embora os elementos (Autor & Ator) que compõem a peça sejam muito fortes e chamativos, não achei o todo tão impressionante assim.
Em dada parte perdi totalmente o fio da meada e fiquei na total escuridão no 2º ato quando este tinha a montagem bem mais clara na ilha - afinal, todo homem é uma ilha?

De qualquer maneira, foi minha 1ª experiência com uma narrativa totalmente subjetiva no teatro. Interessante.
Vi a peça com o Marcelo também. Ele viu humor (como sempre) onde jamais pensaríamos que existisse.

Paulo Cunha disse...

Beckett é sempre Beckett. A cada encenação de um texto seu, descobre-se um mundo diferente. Ironia é uma das marcas dele - que o Marcelo pode ter visto como humor. E, de fato, há. Mas disse antes e repito: o que realmente conta aqui é ver um ator no palco aos 85 anos, representando com dignidade. Um grande abraço.